Angela Gomes
 
 
 

terça-feira, outubro 30, 2007

Aimores 40 graus





leia mais...

domingo, outubro 28, 2007

Rio 40 Graus

Fernanda Abreu

Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos...

Capital do sangue quente
Do Brasil
Capital do sangue quente
Do melhor e do pior
Do Brasil...

Cidade sangue quente
Maravilha mutante...

O Rio é uma cidade
De cidades misturadas
O Rio é uma cidade
De cidades camufladas
Com governos misturados
Camuflados, paralelos
Sorrateiros
Ocultando comandos...

Comando de comando
Submundo oficial
Comando de comando
Submundo bandidaço
Comando de comando
Submundo classe média
Comando de comando
Submundo camelô
Comando de comando
Submáfia manicure
Comando de comando
Submáfia de boate
Comando de comando
Submundo de madame
Comando de comando
Submundo da TV
Submundo deputado
Submáfia aposentado
Submundo de papai
Submáfia da mamãe
Submundo da vovó
Submáfia criancinha
Submundo dos filhinhos...

Na cidade sangue quente
Na cidade maravilha mutante...

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos...

Rio 40 graus
Purgatório da beleza
E do caos...

Eh! Rio 40 graus...

Quem é dono desse bêco?
Quem é dono dessa rua?
De quem é esse edifício?
De quem é esse lugar?...

É meu esse lugar
Sou carioca
Pô!
(Sou carioca!)
Eu quero meu crachá
Sou carioca
Pô!...

"Canil veterinário
É assaltado liberando
Cachorrada doentia
Atropelando!
Na xuxa das esquinas
De macumba violenta
Escopeta de sainha plissada
Na xuxa das esquinas
De macumba gigantescas
Escopêta de shortinho algodão"...

Cachorrada doentia do Joá, eh!
Cachorrada doentia São Cristóvão
É cachorrada doentia Bonsucesso
cachorrada doentia Madureira
É cachorrada doentia da Rocinha
É cachorrada doentia do Estácio...

Na cidade sangue quente
Na cidade maravilha mutante...

Rio!

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos...

Rio 40 graus
Purgatório da beleza
E do caos...

A novidade cultural
Da garotada
Favelada, suburbana
Classe média marginal
É informática metralha
Sub-uzi equipadinha
Com cartucho musical
De batucada digital...

Gatinho de disket
Marcação pagode, funk
De gatinho marcação
Do samba-lance
Com batuque digital
Na sub-uzi musical
De batucada digital
Eh!...

Meio batuque inovação
De marcação prá pagodeira
Curtição de falação
De batucada
Com cartucho sub-uzi
De batuque digital
Metralhadora musical...

De marcação invocação
Prá gritaria
De torcida da galera
Funk!
De marcação invocação
Prá gritaria
De torcida da galera
Samba!
De marcação invocação
Prá gritaria
De torcida da galera
Tiroteio!
De gatilho digital
De sub-uzi equipadinha
Com cartucho musical
De contrabando militar
Da novidade cultural
Da garotada
Favelada suburbana
De shortinho, de chinelo
Sem camisa, carregando
Sub-uzi equipadinha
Com cartucho musical
De batucada digital
Ulalá!...

Na cidade sangue quente
Na cidade maravilha mutante
Huuuummm!...

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos...

Rio 40 graus
Purgatório da beleza
E do caos...

Capital do sangue quente
Do Brasil
Capital do sangue quente
Do melhor e do pior
Do Brasil...

(O Rio de Janeiro!)
(O Rio De Janeiro!)
(Soy Loco Por Ti!)...

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos...

Rio 40 graus
Purgatório da beleza
E do caos...

leia mais...

sábado, outubro 27, 2007

Rio!



leia mais...

quinta-feira, outubro 25, 2007

Casa




Enviado por Renato Pontello

leia mais...

quarta-feira, outubro 24, 2007

redentor

"Cris!"
juro, é o nome do arquivo da foto. O autor é Ivan Gorito.

leia mais...

terça-feira, outubro 23, 2007

reciclagem x mesa de bar


A AMBEV decidiu reciclar garrafas e cacos de vidro para produzir as próprias embalagens. Não, eles não estão preocupados com o aquecimento global, apenas verificaram que a embalagem é um dos principais componentes do preço da cerveja, chegando a 43% do valor pago pelo consumidor. Além disso, 70% da cerveja produzida no país é vendida em garrafas. Daí surgiu a idéia de unir o útil ao agradável, transformando reciclagem em lucro.
fonte: Veja, Felipe Patury

leia mais...

sábado, outubro 20, 2007

11ª Convenção Internacional de Tatuagem - SP

O ser humano é realmente um bicho estranho. Se o cara tivesse nascido assim provavelmente estaria no divã de algum psicanalista até hoje tentando aceitar o próprio corpo, mas não é o caso:
"Sou um outdoor ambulante", diz Vittor Sanchez, 52 anos. Ele, que nos finais de ano é papai Noel profissional, começou a se tatuar há mais de 20 anos. Atualmente "empresta" sua pele para que tatuadores profissionais possam desenvolver seu trabalho. "Vou fechar o corpo todo. Não farei tatuagens menos no rosto e nas mãos", diz Sanchez.
Fonte: Terra

leia mais...

sexta-feira, outubro 19, 2007

From here to eternity


Deborah Kerr & Burt lancaster

leia mais...

quinta-feira, outubro 18, 2007

"lampejos de esperança"

Jovens se manifestam em prol de refugiados e imigrantes em Rostock (Alemanha), antes de reunião do G8
Enviado por e-mail pela professora Clara Miranda.

WIM WENDERS

A Europa tornou-se distante e abstrata para a maioria dos europeus: já não sabem se devem se identificar ou se afastar, se devem se sentir representados ou reprimidos por ela. A imagem da Europa cindiu-se em duas.
Como sou cineasta e fotógrafo, prefiro permanecer no domínio que me é familiar e investigar o problema da alma européia do ponto de vista de um produtor de imagens. Por onde começar?
O termo inglês "image" pode nos ajudar. A "image" da Europa é diferente da imagem que fazemos do nosso continente.
Uma "image" é uma marca, um produto de uma miríade prévia de imagens, histórias, tradições, propagandas, experiências pessoais e, ainda, o resultado ou a suma de uma fama.

Não posso deixar ... de suspeitar que o nosso tema comum, "dar uma alma à Europa", refere-se sobretudo a essa "image" e bem poderia ser entendido como "Devolver uma alma à imagem arranhada da Europa".
De fato, me parece uma tarefa necessária. A "image" européia vem sofrendo duros reveses.
O fiasco da Constituição Européia [derrotada em referendos na França e Holanda em 1995] vem logo à memória. Entre muitos jovens europeus, como em boa parte do mundo globalizado, a Europa goza de má fama.

Só economia
Fui a Heiligendamm [na Alemanha] durante a reunião do G-8 [de 6 a 8 de junho passado] e passei cinco dias por lá, não entre os políticos, mas do outro lado da cerca, sobretudo entre jovens, entre jovens cidadãos.
Para eles, a Europa não era mais que uma potência econômica, politicamente comprometida com a tragédia climática, o desperdício energético, a pobreza e a injustiça mundo afora. Para a maioria, a Europa não era mais que isso. É uma pena.
Pois sabemos que a Europa de hoje é, na verdade, o contrário disso: um santuário de direitos humanos, um lugar de liberdade como nunca antes em sua longa história.
Em nenhum outro lugar do mundo há um tal tecido de proteção social, uma comunidade de povos tão pacífica ou uma tradição mais democrática.
Fico profundamente consternado ao ver que tantos jovens não depositam mais esperança na Europa. Na minha própria juventude, a idéia da Europa era simplesmente grandiosa.
Vista de longe, a Europa parecia prodigiosa, brilhante, mas de perto, no dia-a-dia, ela é tediosa e notavelmente fria. "Café frio", como se diz em Berlim.
O que aconteceu com o sonho de outrora? Como ele pôde se desfazer a tal ponto? A Europa não soube dar uma imagem a si mesma, não soube se glorificar, propagandear, não soube se projetar na tela. As antigas indústrias cinematográficas nacionais não souberam fazê-lo, não produziram sonhos europeus.
Deixamos os sonhos e as utopias imagéticas para os norte-americanos. Não quero me estender sobre o cinema e os proveitos que ele proporcionou em termos de imagem aos americanos, que detêm um lugar de potência no mundo da imagem em movimento.
Também não quero me estender sobre a ausência contumaz de imagens e histórias européias nas telas de todo o mundo ou sobre o déficit de imagem que isso representa para o continente. Tampouco quero abordar a perda de identidade e de identificação vinculada ao pouco lugar que as nossas histórias ocupam nas telas de cinema.
Nada disso é irreparável.
No que nos diz respeito a hoje, o cinema digital será um verdadeiro milagre e vai mudar mais uma vez todas as regras do jogo nesse domínio e nesse mercado.
Mas eu gostaria de refletir sobre o que podemos fazer, sobre o papel que as imagens podem ter nesse esforço de polir a "image" danificada ou menosprezada do nosso continente. E não quero falar apenas das imagens.
Como cineasta, tenho o mais profundo respeito pelos narradores (não haveria cinema sem os grandes mitos e histórias da humanidade!); não há nada que eu ame mais que a música; e meus filmes se passam em cidades e tratam de lugares, o que, entre outras coisas, me faz sentir muito próximo dos arquitetos, que, como nós, trabalham com o tempo e o espaço.
Por tudo isso, vou falar de todas as artes e de sua responsabilidade na questão da alma européia. Pois o que fazem as artes, o que faz a cultura? A cultura dá alma.
Não, a economia não dá alma, tampouco a política, exceção feita aos grandes políticos. Mas a arte, sim, e tanto do lado da criação como do lado da recepção.
Permitam-me voltar ao meu entusiasmo pela Europa. Eu era jovem. Vivia num país em reconstrução, que fora readmitido à comunidade das nações num gesto de muita paciência e perdão.
Nessa época, eu daria tudo para não ser alemão.
Talvez por isso o "patriotismo europeu" seja tão fácil para a minha geração. Não havia excesso de informação. Era sobretudo no cinema que eu via [o presidente francês] De Gaulle e [o premiê alemão] Adenauer, no noticiário da semana.
Sobretudo, eu lia. Lia quase sempre sozinho, uma vez que minha avó não podia passar o dia inteiro lendo para mim.
Para ganhar autonomia, seguia o dedo velho e calejado que ela ia passando sob as palavras, até que aprendi a decifrá-las sozinho.
Mas o mais interessante foi descobrir que aquelas aventuras, aquelas emoções tão fervilhantes, aqueles segredos da humanidade não estavam nas palavras, mas, sim, nas entrelinhas, nos interstícios que cada leitor preenche com seu próprio mundo e seus próprios sonhos!
O que eu aprendi com a leitura se confirmou com o cinema: também aqui os prodígios estão entre as imagens.
E o mesmo acontecia com a música: a alma está entre as notas e sons. Só persistia e perdurava aquilo que se comunicava quase que por si só. Os prodígios de todas as artes não residem no explícito, mas nas entrelinhas!
Todas as coisas que me marcaram lograram esse efeito sem se impor a mim; abriram espaços para mim na mesma medida em que me deram espaço.
Numa época em que tudo é condensado, comprimido, abreviado, numa época em que todo produto é objeto de uma campanha de "image", nessa época em que a Europa se abre e quer e precisa ser mais que uma comunidade econômica, o que poderia dar mais alma à Europa além de sua melhor e mais genuína tradição -a sua cultura?
A Europa é generosa, a Europa conservou o respeito ao mais fraco e aos direitos humanos!
Pois que a Europa se mostre como tal! Uma Europa dotada de alma não teria recusado a Constituição. Naquele episódio, uma Europa cansada de política, de economia e de burocracia rebelou-se. E talvez no momento oportuno, de modo a dar voz a seu interesse primordial: o direito do indivíduo a seu próprio espaço cultural!

Unidade de medida
É certo que o direito individual é um postulado americano. Mas nos EUA o indivíduo é sobretudo a menor unidade econômica.
Na Europa, o indivíduo é a menor unidade cultural, com sua língua, sua região, suas imagens, sua música, seus mitos e histórias, sua ideologia, seu país, em suma, com sua diversidade, sua diferença, sua particularidade!
Essa definição do indivíduo é o maior capital europeu. É por isso que os jovens europeus se recusam a ser apenas consumidores num mercado globalizado -porque têm muito a perder!
Nós, europeus, somos "os outros" para nós mesmos. Cada um de nós vive entre vizinhos que falam e pensam de modo diferente. Podemos mostrar ao mundo como é possível conviver com a diferença, sem anulá-la nem absorvê-la, sem impor valores.
O mundo globalizado tem menos a perder com uma europeização do que com uma americanização.
De volta ao G-8: a certa altura, eu estava filmando um grupo de jovens italianos que corriam por um campo carregando uma bandeira colorida em que se lia "pace" [paz], seguidos por uma trupe de palhaços.
Em todo lado, os manifestantes se valiam da "estratégia dos cinco dedos": milhares de pessoas dispersavam-se em pequenos grupos ordeiros e pacíficos, deixando a atônita polícia alemã (aliás, exemplarmente bem-comportada) para trás, nos bloqueios das estradas.
Num certo momento, eu e minha equipe ficamos bem ao lado de uma barreira policial e pude ouvir o comentário de um policial bávaro, tão longe de casa quanto a maioria dos manifestantes: "Esses aí nem sabem como se escreve "peace'! Está faltando um e!".
Posso lhes dizer que, nesse momento, tive orgulho da Europa: do policial bávaro e dos palhaços italianos, dos militantes espanhóis, que não notavam como seus pronunciamentos ideológicos eram repetidamente atenuados pela tradutora inglesa que falava ao megafone, e dos franceses antiglobalização que não largavam do mapa e não faziam idéia de onde estavam.

Entrelinhas
A Europa estava dos dois lados. A Europa era aquela tensão e aquele espaço de manobra sob um céu que, 18 anos atrás, ainda era parte do bloco soviético.
Os europeus querem ler seu continente nas entrelinhas, entre as imagens, os sons, as línguas. Esse espaço deve seguir aberto a todo custo. A Europa e seu futuro dependem disso.
Que campanha isso não teria dado logo após o fracasso do referendo, se ao menos a sra. Wallström [comissária européia para a Comunicação] tivesse sabido falar direta e imediatamente a linguagem da literatura, se tivesse sabido usar as imagens dos cineastas e fotógrafos para transmitir o significado do projeto europeu, se os artistas tivessem assumido essa tarefa e conquistado espaço para mostrar suas próprias reações à idéia da Europa.
Isso teria falado com mais força ao coração dos europeus do que a campanha mortiça concebida em Bruxelas e desenvolvida por consultores de marketing.
De uma coisa eu sei: é preciso ousadia para entregar esse terreno aos artistas. Nunca se sabe quais imagens produzirão, a que sons vão chegar ou quais palavras vão escolher.
Mas não vale a pena correr o risco, quando se trata de valorizar esse tesouro inestimável que é a cultura européia -não apenas nos museus e galerias, mas no dia-a-dia, no seu uso cotidiano, e no interesse da unidade do continente e do projeto europeu?
"Dar uma alma à Europa" é, afinal de contas, um falso mote! A alma européia vem de longa data.
Ela quer agora se reconhecer em novas imagens! Ela quer contar sua história em todas as suas línguas e ressoar em todos os seus sons! De outro modo, ela acabará por se atrofiar e perecer.
Findo o primado (provavelmente necessário) da economia numa era que agora chega ao fim, a Europa deve agora produzir uma nova utopia.
Parte disso certamente tem a ver com a manutenção da justiça social, da paz, da liberdade, do respeito aos direitos humanos e da luta pela saúde do nosso planeta enfermo.
Mas, na era que está se inaugurando, nada disso será alcançado só por meios políticos e econômicos. Para poder se sustentar aos olhos dos próprios europeus, a Europa tem que se definir em seus termos mais genuínos: nos da prodigiosa, caótica e singular diversidade de sua cultura!

WIM WENDERS (1945) é um dos principais cineastas europeus. Este discurso foi proferido em Bruxelas (Bélgica), em 11/6/07, como parte da campanha "Uma Alma para a Europa". Tradução de Samuel Titan Jr.



leia mais...

Corpo



http://www.grupocorpo.com.br/pt/bach.php
http://www.uakti.com.br/

Trecho do balé Bach, criado em 1996, coreografia de Rodrigo Pederneiras, musica de Marco Antonio Guimaraes (do Uakti) sobre obra de Bach.

*apresentado em aula pelos alunos do primeiro período de Comunicação Social da UFES.

leia mais...

Millôr


por Margarida Cuzzuol

leia mais...

domingo, outubro 14, 2007

especulação imobiliária


por Grazziella Debbane
(...)Nossa vida, essa existência cheia de tanta graça, "é" por tão pouco, tão rápido...
Quantas anos mais nossa mangueira vai se divertir ao vento? Ela tem o seu tempo de existência e, pior, o tempo da especulação imobiliária, que vai derrubá-la logo-logo: a casa vai cessar de existir, e todo o seu pequeno "universo" ao redor: a caramboleira, o pé de cajá-manga, a casinha da bomba d'água, sua velha amante, a trepadeira rosa, os ninhos pendurados dos pássaros que ali fazem seu bairro, neste que já não oferece mais nenhum jardim ou espaço aberto, verde, onde esse pequeno universo pode "ser".
A nossa praia era uma sucessão de casas, umas trinta, plantadas em jardins murados baixos, que se enfileiravam por dois, três quilômetros de uma estrada de bairro, que margeava, tranquilia, a orla...
Costumava passar de carro para escola, vigiando cada jardim, cada janela sem grade, "making sure" tudo estava no lugar certo; de que conhecia todas as pessoas moradoras de todas aquelas casas. O mundo era tão pequeno (e tão grande), então. Vai ver era por causa desse mar verde-dourado infinito, ventado, nordestado, do lado esquerdo da estradinha de barro, com suas casuarinas, sempre ali, me guardando, guardando meu futuro marinheiro, mercante. Me aguardando. É muito bom "errar" mundo afora, mas é melhor ainda voltar. A gente demora, eu demoro, um pouco para chegar: demoro para chegar, mas quando chego me encho de alegria; reecontro as coisas minhas, meus pequenos "universos", meu dia-a-dia. É bom ser, estar, existir: apesar de mim, de você, de todo mundo, do mundo. Só volta, só vai, quem existe, quem tem "vida".
imagem: Edson Quintaes

leia mais...

sábado, outubro 13, 2007

Eu, etiqueta


de Margarida Cuzzuol

leia mais...

quinta-feira, outubro 11, 2007

Che Guevara




"hay que endurecer, pero sin perder la ternura jamas!"

Ernesto 'Che' Guevara 1928 - 1967.

E agora?! Descobriram que a frase não foi dita por ele ... mas resta a famosa fotografia de Alberto Korda que o transformou em ícone mundial.

leia mais...

segunda-feira, outubro 08, 2007

tá dominado?!



Legalização de drogas, envelhecimento da população, agricultura vertical, brown, rolex, horario de verão,caixa dois e mano hulk ... passei uns dias fora do ar ... agora leio os jornais e revistas na tentativa de entender um pouco como andam as coisas por aí.
Surpresas? Nem tanto. O abismo que separa ricos e pobres permanece o mesmo, seja no roubo de um relógio ou de uma tela de um museu. Diferentes escalas de valores. Sei que existem muitas pessoas produzindo coisas legais, desenvolvendo projetos interessantes, buscando saídas e novas possibilidades de convivência em sociedade, mas confesso que me sinto um pouco contaminada pela apatia do “tá dominado”, “do não tem jeito”, que tudo “é assim mesmo”, que temos o “jeitinho brasileiro”, enfim, que "nada vai mudar" ... por sorte, isso passa rápido ... vamos em frente que a fila anda!

leia mais...

sexta-feira, outubro 05, 2007



leia mais...
 

blog@daus.com.br

comentários I enviar imagens

 
 
  • Nuvens1
  • Batuque
  • Nuvens3

    Flávio Martins

  • Boas festas e feliz 2013!
  • Estamos no facebook: DAUS 
  • Outubro, Rio
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Maio 2008
  • Junho 2008
  • Julho 2008
  • Agosto 2008
  • Novembro 2008
  • Junho 2009
  • Julho 2009
  • Agosto 2009
  • Setembro 2009
  • Outubro 2009
  • Novembro 2009
  • Dezembro 2009
  • Janeiro 2010
  • Fevereiro 2010
  • Março 2010
  • Maio 2010
  • Junho 2010
  • Julho 2010
  • Novembro 2010
  • Dezembro 2010
  • Janeiro 2011
  • Março 2011
  • Abril 2011
  • Setembro 2011
  • Janeiro 2012
  • Março 2012
  • Abril 2012
  • Maio 2012
  • Junho 2012
  • Julho 2012
  • Agosto 2012
  • Outubro 2012
  • Dezembro 2012
  • Janeiro 2013
  • Setembro 2013
  • Dezembro 2013
  • Abril 2015
  • Julho 2015
  •  

    vitruvius
    rededesignbrasil
    Ibama
    Programa Capixaba Materiais Reaproveitáveis
    Artesanato Capixaba
    Instituto Ideias
    Instituto Marca Ambiental
    Espacoesociedade
    Seminariosmvrd
    Veracidade
    redemoinho
    designfortheworld
    centrodametropole
    sosmataatlantica

    Mare
    Dmadrid
    luciane
    Archestesia
    contradinome
    expurgacao
    clovisaquino
    nelsonkhon
    Bambuzau
    absolutamentenada
    nelmaguimaraes

    ...

    Powered by Blogger